sábado, 7 de fevereiro de 2015

O Analfabeto Político


O pior analfabeto é o analfabeto político.


Ele não ouve, não fala, nem participa dos acontecimentos políticos. Ele não sabe que o custo de vida, o preço do feijão, do peixe, da farinha, do aluguel, do sapato e do remédio dependem das decisões políticas.

O analfabeto político é tão burro que se orgulha e estufa o peito dizendo que odeia a política. Não sabe o imbecil que da sua ignorância política nasce a prostituta, o menor abandonado, e o pior de todos os bandidos que é o político vigarista, pilantra, o corrupto e lacaio dos exploradores do povo.


Nada é impossível de Mudar. Desconfiai do mais trivial, na aparência singelo. E examinai, sobretudo, o que parece habitual.

Suplicamos expressamente: não aceiteis o que é de hábito como coisa natural, pois em tempo de desordem sangrenta, de confusão organizada, de arbitrariedade consciente, de humanidade desumanizada, nada deve parecer natural, nada deve parecer impossível de mudar.

Privatizado, privatizaram sua vida, seu trabalho, sua hora de amar e seu direito de pensar. É da empresa privada o seu passo em frente, seu pão e seu salário. E agora não contente querem privatizar o conhecimento, a sabedoria, o pensamento, que só à humanidade pertence.


|—||—||—||—||—||—||—||—||—||—||—||—||—||—||—||—||—||—||—||—||—||—||—||—||—||—||—|
Sintam-se livres para interpretar o texto da forma que aprouver-lhes à vaidade.
|—||—||—||—||—||—||—||—||—||—||—||—||—||—||—||—||—||—||—||—||—||—||—||—||—||—||—|

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

O "Mea Culpa" que não veio, OU: Como a Igreja quer que os Sexualdiversos se fodam!

Muito especulou-se sobre o sínodo que houve no vaticano.


Dentre muitos dos temas tratados, me apegarei a um especificamente: o “aceite” (por parte da 'Santa Igreja') da Comunidade Sexodivergente (homossexuais [masculinos e femininos]; bissexuais; assexuais; transgêneros e outros); a veiculação duma notícia que apontava para uma possível modernização da visão da Igreja para com este grupo social gerou uma enorme expectativa nas pessoas e acendeu uma esperança na alma de vários Sexualdivergentes que buscam sentirem-se amparados pela instituição religiosa para a qual devotam fé (e, claro, DINHEIRO).
Quando li a versão em língua portuguesa do documento (a atual aqui) logo notei uma série de armadilhas argumentativas (aqueles momentos em que se fala MUITO mas diz-se POUCO). E, como pode-se ver na redação final do documento, nada nesse sentido ocorreu, apesar de ter sido levado à pauta por um brasileiro.

Contudo; tolos foram os que esperaram remanticamente que a Igreja se dobrasse e reconhecesse o crime de assédio moral que esta perpetra contra os Sexodivergentes.

Afinal, apesar dos fatos, João Paulo II “perdiu perdão” apenas pelo massacre dos judeus, todavia não se vê declaração semelhante para os demais grupos que foram brutalmente chacinados pelo Reich e por seus aliados. O Bento XVI também não. Mas os registros históricos demonstram inequivocamente que em paralelo ao holocauto judeu, houve o Holocausto Gay, o Holocausto Negro, mesmo fora das fronteiras alemãs. Mas, para estes, nenhum “mea culpa”, sequer um reles “"foi mal ae, bicho"”.
Negros ganharam “pastorais” e outras ações compensatórias. Mas os Sexodivergentes nada! Talvez encontrem as genéricas "Pastorais da Diversidade" [caso existam notícias atualizadas sobre alguma]; mas isso não passa de maquiagem; uma leitura mais atenta de suas proposições e uma análise profunda demonstra que elas não representam uma verdadeira assunção de responsabilidade; em verdade são um pouco mais que um “cala boca”, visando funcionar como placebo para os Sexodivergentes que ainda se congregam sob a égide da Santa Madre Igreja Romana.
Já suas contra-partes, a Igreja Cristã Ortodoxa. Assim como a imensa MAIORIA, senão todas, as dissidências Evangelistas tem formada sua clara posição sobre a Sexualdivergência (inclusive com insinuações dela ser essencialmente branca/européia)
Bem verdade que houveram, durante a formação da atual Igreja e suas ramificações/dissidências variados níveis de tolerância/entendimento da Sexualdivergência; bem como seitas que defendiam o prazer sexual entre iguais, como aparentemente os carpocracianos faziam(Seita liderada por Carpócrates, acusada do exato oposto ao extremo celibato: pura libertinagem. Os Carpocracianos acreditavam na reencarnação, e o bispo Ireneu de Lyon disse que os membros do grupo eram encorajados a experimentar tudo o que há na vida para que não tivessem que reencarnar e fazer o que ainda não tivessem feito, o que inclui a imoralidade.
Irineu podia estar exagerando, mas Carpocracianos de fato se orgulhavam de ser acima de todas as leis morais, e transcender convenções humanas. A notoriedade da seita reacendeu no século 20 com a descoberta do Evangelho Secreto de Marcos, uma versão mais espiritual do Evangelho canônico de Marcos. Clemente de Alexandria acusou os Carpocracianos de falsificá-lo para apoiar a sua libertinagem. O Evangelho Secreto incluía uma cena em que um Jesus nu dava instruções a outro homem nu, e esta sugestão de um encontro homossexual foi usada pelos Carpocracianos para justificar um estilo de vida gay em uma sociedade muito menos tolerante do que a nossa é.
)

Certo é que existem -na atualidade- ações no sentido de modificar este cenário de invisibilidade que os Sexodivergentes vêm sofrendo.
Assim como podemos encontrar iniciativas de ruptura com a Tradição Estabelecida, buscando apoiar espiritualmente a comunidade sexualdivergente e fazer toda uma reinterpretação das supostas “escrituras sagradas”.

Mas, das Tradicionais? Tolice esperar uma evolução deste porte!
Se você sente a real necessidade de professar uma religião (e consequentemente sustentar uma instituição), conheça algumas das ditas “Igrejas Inclusivas”; ou vá em busca de alguma direcionada para o público sexualdivergente.
Ou mesmo FUNDE UMA SUA PRÓPRIA!!!
Você também pode migrar pra alguma religião de matriz africana que aparentam maior aceitação e tolerância. Embora a “Mãe África” não ande muito 'mãe' estes últimos tempos 1, 2 e 3.


Aqui deixo o Hino das Bichas do Terceiro Mundo.



quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

PIRAHÃ, A Religião do Aqui e Agora

Documentário sobre a língua Pirahã de Daniel Everett: LÍNGUA PIRAHÃ E O CÓDIGO DO AMAZONAS
Transmitido pelo Discovery Channel em 2013.

Sobre o Autor:

Daniel Everett descreve as experiências e descobertas surpreendentes que ele fez enquanto viveu com os Pirahã, uma pequena tribo indígena amazônica no interior do Brasil.

Daniel Everett viveu entre os Pirahã com sua esposa e seus três filhos, esperando converter a tribo ao cristianismo. Everett rapidamente ficou obcecado com sua língua e suas implicações culturais e linguísticas. Os Pirahã não possuem sistema de contagem, não possuem descrição fixa das cores, não possuem conceito de guerra, ou de propriedade privada.

Everett ficou tão impressionado com o modo pacífico de vida deles que, no fim das contas, perdeu a fé no Deus que ele esperava apresentá-los, e devotou sua vida à Ciência da Linguística. Em parte memória apaixonada, em parte exploração científica, a história da reviravolta na vida de Everett é um olhar fascinante na natureza da linguagem, do pensamento, e da própria vida.



A Língua Pirahã - O Código do Amazonas from Luc Anderssen on Vimeo.

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

Tsunami de Ódio Irracional.

O texto a seguir foi totalmente extraído do site: Fora do Armário:

DENÚNCIA: Gangues de adolescentes atacam gays, negros e supostos bandidos para "limpar" o Aterro do Flamengo

Gangues de 25 ou 30 adolescentes homofóbicos perseguem e espancam gays em parque (e nas principais ruas!) de bairro da zona sul
Publicado por Eliseu Neto no Facebook em 4 de fevereiro de 2014 às 01:43

Via ELISEU NETO: Li na internet (e deu no Jornal Extra também) a seguinte nota:
 "Ontem, um grupo de moradores do Flamengo cansado da omissão da polícia na região decidiu fazer Justiça com as próprias mãos e espancou um adolescente de cerca de 16 anos, negro, que foi preso a um poste com uma trava de bicicleta, espancado, esfaqueado na orelha e deixado nu...”
Segundo as fontes, tal crime aconteceu sexta à noite.
Já no domingo à noite, por volta das 23h, uma OUTRA gangue de “justiceiros” do bairro do Flamengo voltou a agir. Dessa vez, com o objetivo de fazer uma verdadeira “limpeza” no bairro, perseguindo gays.
 Um grande amigo meu estava lá no momento, correndo no Aterro do Flamengo, sem camisa, de bermuda, garrafa de água na mão e testemunhou tudo o que aconteceu.
 O relato dele, a seguir, é longo e chocante, mas é preciso que seja lido até o fim.
Estava correndo na área do Aterro entre o Teatro de Bonecos Carlos Werneck e o restaurante Porcão, na altura da Avenida Osvaldo Cruz, quando de repente ouvi muitos gritos de ‘pega, pega’ mais adiante, mas  não pude ver o que era exatamente porque as árvores cobriam a visão.
 Dois outros caras estavam próximos e comentaram que deveria ser um assalto. Não deu nem dois minutos e vimos uma gangue de uns 25, 30 adolescentes, com idade aparente entre 16 e 21 anos no máximo, armados com pedaços de pau vindo em nossa direção. Um dos caras que estava próximo à mim começou a correr e disse “estão aqui pra espancar gays”. O outro cara ao lado também correu feito uma bala. Fui o último, mas comecei a correr também. O bando nos viu e, imediatamente, com os pedaços de madeira levantados começaram a correr atrás de nós, gritando “pega eles, pega!”.
 Do meio do grupo deles, algum gritou: “Não é, não, para que não é, não!”. Os do bando que estavam na frente correndo atrás de mim responderam “então eles estão correndo por que?” E continuaram atrás de nós. Pensei em parar pra dizer alguma coisa, mas não dá pra dialogar com um bando de selvagens com pedaços de pau na mão correndo atrás de você.
 Saí do Aterro e fiquei na calçada oposta ao parque menor que tem ali, na esquina das Avenidas Osvaldo Cruz e Rui Barbosa, aquele que tem a estátua enorme de um índio.
 Nisso, vejo quatro homens gays saindo correndo do Aterro juntos, indo para perto do ponto de ônibus da Praia do Flamengo, no sentido Botafogo.
 Minutos depois, um outro homem gay (que parecia fisicamente ser hétero) saiu do Aterro com a mão do lado esquerdo da cabeça e o joelho ferido. Chega perto de mim e pergunta se está sangrando na testa, porque está com muita dor, disse que os garotos chegaram espancando sem perguntar nada. Até que um deles fez os outros pararem, pediu a identidade do cara e decretou “você está liberado”.
Nesse momento, eu e o cara vemos o bando de garotos (com UMA menina no meio) saindo do Aterro e vindo na direção da Avenida Osvaldo Cruz. O cara que está comigo quer correr, eu sugiro que não, digo que estamos fora do parque, que não fariam nada com a gente na rua (um engano total, como ficaria provado em seguida).
Os garotos nos notam e ficam nos acompanhando, lentamente vindo na nossa direção. Logo depois mais garotos se juntam ao bando, já são 25, 30 novamente, muitos deles no celular (vim a entender o porquê das ligações depois, explicado por um deles mesmo).
Eu e o cara chegamos na Praia do Flamengo, esquina precisa com Avenida Osvaldo Cruz e vamos caminhando lentamente no sentido contrário dos carros, em direção à primeira rua que tem entrada à esquerda, Cruz Lima. Mais à frente, já na esquina de Cruz Lima com Praia, vejo o grupo de quatro homens gays que eu tinha visto sair junto do Aterro minutos atrás.
Estamos todos agora então numa linha reta, os quatro homens gays mais à frente, eu e o cara no meio, o bando de garotos vindo como um tsunami atrás.
Aí acontece um dos momentos mais chocantes da noite. Os quatro homens gays percebem a multidão de garotos vindos com os pedaços de pau e entram correndo na rua Cruz Lima, em direção à rua Senador Vergueiro.
O bando de garotos começa acorrer atrás deles novamente, gritando, com as madeiras em punho, “pega eles, pega!”. E continuam correndo pela Cruz Lima e pela SENADOR VERGUEIRO, uma das principais ruas do bairro.
São tantos garotos correndo que eles se dividem ao meio, passa cada parte por cada um dos nossos lados, meu medo cara, como se fôssemos uma bifurcação forçando um rio a se abrir pra direita e pra esquerda. Estão numa ira violenta tão grande para perseguir e espancar que  nos ignoram. (Novamente é aquela lógica ignorante deles, ‘se estão correndo, é porque estão devendo’, como gritou um dos meninos). Não pararam pra mim e pro cara exatamente porque não corremos. Depois de todos os garotos passarem correndo, vem, sozinha, a única menina do grupo, caminhando calmamente.
O cara vai embora e, como o bando foi correndo pela rua Senador Vergueiro, sinto-me seguro naquele momento e entro novamente no Aterro, na frente do Boteco Belmonte, pra tentar falar coma polícia na enorme cabine da PM que existe na altura da praia, perto da areia. Fica numa linha reta em direção ao Belmonte. Não há ninguém na cabine.
Estou voltando então pra sair do Aterro e converso com um cara, Junior que encontro no caminho, sobre o assunto. Nesse momento, vemos cerca de cinco garotos daquele bando entrando novamente no Aterro, bloqueando a nossa saída e começando a abrir/se espalhar pra nos cercar. Começo então a desviar pra esquerda, pra passar ao lado do Teatro de Bonecos Carlos Werneck e eles começam a correr atrás de nós.
Eu e Junior passamos correndo por trás do prédio do teatrinho, na direção das duas pistas de alta velocidade do Aterro, para sairmos, mas somos cercados por mais garotos do bando que entravam no parque exatamente por ali e bloqueiam a nossa frente com os pedaços de madeira na mão mandando a gente parar. Junior para, mas eu continuo e enquanto corro grito com toda a força dos pulmões e com uma voz grossa carregada de ódio: “Mas que porra é essa que está acontecendo aqui?”
Por um momento os garotos hesitam (tenho quase o dobro da idade deles), alguns devem achar que sou hétero porque me deixam passar. No que eu passo e continuo a correr, um deles vira e grita “Vai embora daqui, viado! Vai fuder na sua casa. Nós viemos aqui pra limpar o Aterro do Flamengo e o bairro de uma vez por toda de gente indesejada: gays, cracudos (drogados) e assaltantes!”
Vou então pro ponto de ônibus, sentido Botafogo, na frente do Boteco Belmonte, que está lotado. Junior, o cara com quem eu conversava minutos atrás, que fisicamente também parece um cara hétero, foi “liberado” pelo bando e juntou-se a mim.
Nesse momento, chega afinal um carro da PM. Faço sinal pra eles e digo que há uma gangue de uns 20 garotos perseguindo e espancando pessoas a esmo no Aterro e fora dele. O policial responde “Foi por isso que viemos, estamos atrás desse grupo, um funcionário do posto de gasolina da Avenida Rui Barbosa ligou pro 190 e disse que pessoas estavam sendo espancadas no Aterro e nas ruas próximas por um bando de adolescentes armados com pedaços de paus”.
Ele me pergunta pra onde foi o grupo e digo que eles acabaram de entrar no parque novamente e estavam seguindo pra direita na direção do Porcão. Pergunto se eles querem que eu vá junto pra reconhecer o bando e eles dizem que “não precisa”.
Entram então com o carro em alta velocidade no Aterro, na entrada na frente do Belmonte, onde estamos. Vou atrás à pé, já que o grupo estaria bem à frente do carro, achei que não haveria risco dessa vez. 
Mal entro novamente no parque e vejo um garoto bem-arrumado (como todos os outros do bando), cara de novo, acompanhado de um cara de uns 25 anos com um cachorro na coleira, vindo na minha direção.
O garoto mais novo começa a puxar papo de longe falando da sessão de violência, vou chegando pra trás porque acho que é um truque pra chegar perto de mim e me segurar pra ser espancado. Mas logo vejo que ele não pretende isso e me diz que estava no grupo que me cercou minutos atrás, na minha última saída do Aterro. “Fui eu, inclusive, que liberei o seu amigo pra ir embora”.
O nome desse menino é Gabriel e tem 18 anos. Conta que estava em casa e foi chamado por celular pelos amigos pra fazer parte do bando e “limpar o Aterro do Flamengo e o bairro de ladrões”.(Eis o porquê dos integrantes do grupo mais cedo estarem tanto no celular, estavam recrutando mais garotos pra se juntarem à eles).
Diz ainda que naquele momento em que eu e Junior fomos cercados há poucos momentos ele notou que o objetivo do grupo não era perseguir assaltantes e sim espancar gays, razão pela qual se separou e estava indo embora agora, quando me encontrou. Disse que não concorda com o espancamento de gays e com atitudes homofóbicas.
Nós três (eu, Gabriel e o amigo dele com o cachorro) saímos do Aterro então pela última vez e paramos na portado Boteco Belmonte. À esquerda, mais lá embaixo, na altura da Avenida Osvaldo Cruz, vemos mais uma vez o bando de (agora 15 ou 20) garotos deixando o parque e vindo em nossa direção.
Gabriel e o amigo resolvem ir embora pela rua próxima, Tucumã, e me sugerem que faça a mesma coisa “já que esse grupo agora conhece a tua cara”.
Resolvo permanecer no Belmonte, que está cheio de gente, achei que seria mais arriscado entrar numa rua sozinho ali perto, Tucumã, Senador Vergueiro, exatamente porque o grupo poderia me reconhecer e me perseguir novamente.
O bando de garotos passa então pelo Belmonte, por mim e pelo monte de gente sem importunar ninguém. Mas obviamente os clientes do boteco notam que algo de incomum está acontecendo, um grupo enorme de garotos vindo junto... Novamente a ideia é de um tsunami.
Logo em seguida, encostam no Belmote não um, mas dois carros de polícia. Vou na direção deles e digo: “mas são esses aí os caras do bando que estavam espancando as pessoas com os pedaços de pau”. Um dos PMs me responde então: “Nós os estamos escoltando pra que saiam do parque e dispersem. Não podemos fazer mais nada porque não há vítima pra denunciá-los, não há quem os acuse de nada.”
Perguntei se era preciso alguém estar todo arrebentado e sangrando pra haver a vítima que eles queriam.
Um dos PMs perde a calma e diz que não faz as leis, que as coisas funcionam assim. Pergunto pra outro mais tranquilo o que seria necessário pra configurar uma “vítima”. Ele diz: “alguém que se sentiu acuado e ameaçado por eles, constrangido, desrespeitado, não precisa estar sangrando”.
Falei então, “Pois eu sou essa vítima”, ao que o PM respondeu “você vai pra delegacia formalizar queixa e pode nos apontar agora quem foram os garotos que te atacaram?” Disse que sim e entrei no carro da PM. Este em alta velocidade deu meia-volta na pista e cercou o grupo de agora apenas 10 garotos, na altura da bifurcação entre as ruas Paissandu, Barão do Flamengo e Praia.
De dentro do carro, os PMs pediram que eu apontasse quem tinha me perseguido. Reconheci dois, inclusive oque disse “Se está correndo é porque está devendo” no começo da noite.
Saí do carro espumando de ódio e comecei a gritar com os garotos, dizendo que eles estavam espancando e perseguindo qualquer pessoa que estivesse no Aterro e nas ruas próximas que corresse deles. Novamente, o garoto repetiu, na cara da PM: ““Se está correndo é porque está devendo”.
Gritei que qualquer pessoa correria de um grupo de 25, 30 garotos correndo com pedaços de pau na mão.
Um dos garotos então (tudo na frente dos vários PMs de dois carros) diz que o objetivo deles é “limpar o Aterro, já que a polícia não faz nada, que cabe à eles fazer justiça com as próprias mãos”.
Eu estava MUITO nervoso, não conseguia nem raciocinar direito, deveria ter exigido nesse momento que a PM levasse TODOS pra delegacia pra enquadrá-los no artigo 288 do Código Penal: Formação de Quadrilha. Mas não lembrei de dizer isso na hora.
Eu já estava gritando muito, mas perdi a calma de vez quando um dos garotos, com cara de 16, 17 anos, soltou a seguinte frase: “Isso é hora de você estar na rua? Está fazendo o que na rua essa hora? O que seu chefe vai dizer de você andando na rua meia-noite?”
Perguntei já bem fora de mim quem era ele, aquele moleque, pra dizer que horas eu devo andar na rua e onde eu vou? Os outros começaram a gritar “não chama de moleque, não, somos de família, temos nível”.
Um outro garoto nessa hora viu a garrafa de água que eu ainda tinha nas mãos (mas que a essa altura estava vazia) e disse “Você, andando sem camisa de bermuda com essa garrafa de águavazia na mão, vamos achar que é um cracudo e te encher de porrada na rua, você não pode sair assim, não”.
Pode uma coisa dessas???
Ou seja, assumiram na cara da PM que espancavam primeiro e perguntavam depois, isso depois de terem desacatado toda a polícia anteriormente. Claramente formação de quadrilha, desacato à autoridade, etc, etc.
Um dos PMs me puxou pra um canto nessa hora e perguntou se eu queria continuar com a história, disse que os dois que eu apontei iriam ser fichados, mas que os outros 8 iriam testemunhar à favor deles, que eu era apenas um, que a justiça é uma merda... me deram a entender que ia ser desgastante e que não resolveria nada.
Comecei a ficar com receio pela minha própria segurança depois. Um dos garotos tinha me dito, minutos atrás, ameaçando veladamente: “Todos nós somos aqui da área....”
Falei pros PMs que essa história de “atacar cracudos” era fachada, que eles estavam ali pra espancar gays, que tinha ouvido deles mesmos isso, mas que nunca iriam admitir. O PM foi então cuidadosíssimo em perguntar se eu queria mudar o tipo de agressão pra homofobia. Se a minha sexualidade fosse essa, eles alterariam a forma de registrar o problema.
Nesse momento, ouvi um dos garotos falando pra um dos que apontei “Vai pra delegacia, nós vamos com você pra apoiar, você não está devendo nada!”
Estava tão nervoso e tinha que pensar tão rápido, era apenas eu de testemunha contra 10 garotos (e em seguida as famílias) que estavam clamando ali estarem “fazendo justiça”.... temi pela minha segurança e da minha própria família no futuro e desisti.
A PM mandou os garotos então dispersarem, dois deles viraram-se pra mim e disseram “desculpa por ter assustado você no parque, não foi nossa intenção”.
Não respondi nada pra isso. APM fez questão de me levar no carro até próximo à minha casa, pra não me deixarem risco obviamente perto daquele bando que poderia me atacar assim que os carros fossem embora.
Chegando em casa, depois de tomar banho e obviamente não conseguir dormir, pensei que poderia ter dito pro bando de garotos na frente da PM mais três coisas, se tivesse conseguido raciocinar na hora:
1)   “Vocês, mentes brilhantes, gênios da lâmpada, acham que foram os primeiros a querer ‘livrar o Aterro e o bairro’ dos gays? O Aterro do Flamengo existe há décadas e anos atrás houve um grupo igualzinho ao de vocês, que perseguiam e espancavam gays no parque e nas ruas. Sabe porque eles pararam de fazer isso? Porque um dia um gay acuado estava armado e atirou. É isso que temos que fazer agora, né? Andar armados pra parar vocês à bala ?”
2)   “Todo mundo é macho aqui? Pois quero ver quem é que vai ser macho e honrar o que tem entre as pernas assumindo aqui e agora que estavam perseguindo e espancando gays no Aterro e nas ruas, que essa história de perseguir assaltante é fachada? Ninguém? Vocês só são machos em bando, né?”
3)   No grupo havia 3 meninos negros, os outros todos brancos. Todos sem exceção  sarados, quase todos sem camisa. Perguntaria aos meninos negros se não tinham vergonha de perseguir outra minoria, já que sentiam na pela a dor do preconceito.
No dia seguinte, segunda, fui à cabine da PM no Aterro (de dia) pedir informações sobre porque não havia ninguém lá no momento dos crimes.
Encontrei a região cheia de carros de polícia e PMs, contei uns 5 carros e uns 13 PMs. Explicaram que não poderiam responder nada oficialmente, que eu tinha que procurar a Comunicação Social da Corporação pra ter respostas.
Um deles, porém, me disse que eles PMs ,estando sozinhos ali na cabine na hora do problema (“já que as viaturas poderiam estar do outro lado do Aterro respondendo a uma ocorrência”) também correriam, mesmo usando farda, de um grupo de 25 ou 30 garotos armados com pedaços de pau. “Correríamos porque não podemos fazer nada contra um grupo desses,não podemos atirar neles”.
Esse é o fim da história ocorrida na noite/madrugada desse último domingo, 2 de fevereiro de 2014.”
Em plena zona sul carioca, uma nova modalidade de arrastão, o arrastão da violência homofóbica, “importado” de São Paulo. Em breve nem na rua mais poderemos andar.
É época de deixarmos todas as diferenças de lado, pois a cada dia o perigo aumenta, mais mortes, mais suicídios, e agora agressões coletivas.
----------------------------------------------------------------------------
E isto só tende a piorar; como atestado pela artista plástica Yvonne, fundadora do Projeto Uerê:
"Eu recebo ameaças por defender, mas estamos falando de seres humanos. Recebi no Facebook a seguinte mensagem: “Pra mim essa raça tem que ser exterminada com requintes de crueldade”. De um rapaz jovem, que não deve ter nem 20 anos. Se o Estado não toma providências para resolver o problema da violência, os grupos nazistas, neonazistas se unem e essa mentalidade toma conta."

fonte: EXTRA

*frankj costa*

sexta-feira, 16 de agosto de 2013

E... se deus fosse um dentre nós?

"Deus, mande alguém que cure a AIDS, câncer, etc, etc"; "eu mando, mas vocês os abortam"

Creio que outras respostas, mais plausíveis e racionais seriam:

Povo: "Deus, nos mande alguém que cure a AIDS, câncer, etc, etc".

As várias respostas de deus:

1- "Eu mando. Mas vocês deram-lhes uma educação de qualidade inferior, porque eles viviam em uma área com financiamento pobre devido a baixos impostos sobre propriedade.".

OU

2- "Eu mando.Mas vocês os deixam morrer, porque eles não podiam pagar cuidados médicos.".

OU

3- "Eu mando. Mas, devido a seu racismo vocês desprezaram o seu potencial e não deram-lhes as mesmas oportunidades.".

OU

4- "Eu mando. Mas vocês fazem a educação universitária inacessível e cara, permitindo que apenas os filhos dos grandes banqueiros passem.".

OU

5- "Eu mando. Mas vocês veem um jovem sem-teto antes que possam ver um garoto com potencial.".

OU

6- "Eu mando. Mas vocês os desprezam, e quando já estão até o ombro na lama, vocês os empurram ainda mais.".

OU

7- "Eu mando. Mas vocês a forçam a levar uma gravidez indesejada a termo; obrigando-a a se tornar uma mãe solteira com renda limitada, tendo que sacrificar seus sonhos universitários, a fim de prover o seu filho indesejado.".

Não tenho por intenção primária fazer qualquer tipo de julgamento moral; sequer creio em deus. Mas alegar que uma entidade sobrenatural, toda poderosa, onisciente e onipotente, possui um interesse obsessivo, maníaco, beirando a psicose, pela vida e escolhas individuais de 6,974 bilhões de passoas (dados de 2011) (População Mundial); pra mim é esquizofrenia paranóide.
E que está mesma Inteligência Suprema; repleta de Amor e de Bondade repudia o aborto em qualquer situação - a despeito da condições ou não da mulher (ou mesmo da família) sustentar a criança ou ao menos de desejá-la o bastante para amá-la; e por isso a condenará a um inferno eterno de dores e tormentos lancinantes, excruciantes...

Será que só eu noto que há algo de ERRADO no "amor de deus"?!


segunda-feira, 1 de julho de 2013

PARABÉNS PRA VOCÊ BRASIL, MAS ME DIGA, PELO QUE?


Olhando minha timeline (ou feed de publicações, ou mural ou como queiram chamar), me deparei com uma postagem que dizia "PARABÉNS BRASIL".
Parei e resolvi pensar: "parabéns"? pelo quê? Por uma vitoriazinha em uma modalidade esportiva? que benefício real e duradouro esta vitória trará ao povo brasileiro?


Maravilha! BRASIL CAMPEÃO PORRA!!!!  Mas, peraí, porque não consigo sentir essa alegria toda que meus concidadãos sentem? Por que não sinto este tesão irrefreável; que faz com que médicos deixem de atender, supermercados fechem, ônibus parem em qualquer bar de esquina para assistir 22 homens correndo pra lá e pra cá perseguindo um pedaço de couro revestido, cheio de vento?!
Talvez a resposta para esta dúvida encontre-se neste pequenos dados:

Ranking do IDH (Índice de Desenvolvimento Humano):
85ª posição do IDH no contexto mundial, considerado apenas os países do G-20, permaneceu na 14ª posição.  

Ranking da Saúde:
13ª posição

Ranking da Educação:
14ª posição

Indicadores de Desigualdade:
17ª posição
No contexto mundial, o Brasil ocupa a 117ª posição.

Ranking da Pobreza:
14ª posição


Frente a esta amostragem, creio que uma boa lista das problemáticas do país seja a que apresento abaixo. (segui uma lógica de consequencialidade, não de grau de importância ou de precedência):

Política
Políticas Públicas
Educação
Saúde
Emprego
Violência
Justiça
Infraestrutura
Meio Ambiente
Desigualdades raciais
Desigualdades sociais
Desigualdades sexistas
Impostos

É daí que vem este amargor em minha boca, donde parte o impulso que me impeliu a escrever isto. É de onde nasce o incômodo que a frase "PARABÉNS BRASIL" suscitou em meu espírito, em minha mente. E ouso dizer que foi algo semelhante o que acometeu aos que figuram na imagem abaixo:


"AVE CEASER, QUOD MORITURI TE SALUTANT"

(Salve César, saúdam-te aqueles que morrerão)


Porém acredito que esta fase de "PANEM ET CIRCENSES", está chegando ao fim, talvez não com o Povo guiado por algum partido (seja qual for); talvez sequer pelo povo se autogerir em algum modelo anarquista [antes de falar algo, pesquise seriamente o conceito de Anarquia], Talvez o povo, combalido, cansado e frustrado; logrado até não mais poder; simplesmente atire tudo uma situação de Caos pleno, e destes escombros ergue-se-á uma outra estrutura, que tanto pode repetir os erros da anterior, como pode despontar para algo mais eficiente.
O homem de bem é um cadáver mal informado. Não sabe que morreu.
Nelson Rodrigues.

De resto, só posso fazer votos para que o sangue nas veias não esfrie, para que as mentes não se embotem, para que os espíritos não se quebrem.
Pois ainda escurecerá muito até que amanheça...

LINKS:
http://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Problemas_sociais_do_Brasil&printable=yes
http://portal.rg3.net/index.php/alberto-peixoto/129-o-brasil-e-seus-problemas-sociais.html
(para quem considera a wikipedia tendenciosa)
http://ciclovivo.com.br/noticia/5-razoes-para-a-insatisfacao-social-do-brasileiro
http://www.johndesq.com/jdp/quotes/latin3.htm


*frankj costa*

sábado, 22 de junho de 2013

brasil ame-o (e lute) ou deixe-o (morrer à míngua)


Apesar do que a imagem possa sugerir; este texto -espero eu- já bem longe de ser uma apologia ao fascismo; em verdade espero que ele seja um apelo à razão, uma luz nas trevas das distorções que detectei.

O vídeo a seguir está sendo veiculado nas redes sociais como uma espécie de ordenamento dos protestos vindouros. Caso você não possa [ou não queira] dispor do 00h01min45seg que ele dura, pode ler a fiel transcrição que segue abaixo:


~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~INÍCIO DA TRANSCRIÇÃO~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
“Seremos simples e diretos!
As mídias de rádio e tv dizem que não temos uma causa específica. Isso pode enfraquecer o movimento.
Só a diminuição do valor das passagens de transportes públicos não nos satisfaz; mas realmente temos que saber por onde começar um novo Brasil! Então vamos levantar causas diretas e sem polêmicas de cunho religioso ou ideológico. Sem bandeiras partidárias ou subjetividades.
Vamos todos levantar causas de cunho moral que são unanimemente aceitas.
E vamos levantar poucas por hora, para que não se dispersem.
Chamaremos elas de "As 5 causas!"

As Cinco Causas São:
1 – Não a PEC 37;
2 – Saída imediata do Renan Calheiros da presidência do Congresso Nacional;
3 – Imediata investigação e punição de irregularidades nas obras da Copa, pela Policia Federal e o Ministério Público Federal;
4 – Queremos uma lei que torne corrupção no Congresso crime hediondo;
5 – Fim do foro privilegiado, pois ele é um ultraje ao Artigo 5º da nossa Constituição.

REPITAM, ALARDEM, GRITEM, RETUÍTEM, COMPARTILHEM!
Baixem o vídeo e postem em suas contas para que não seja retirado do ar!
'Verás que um filho teu não foge à luta'”
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~FIM DA TRANSCRIÇÃO~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Gostaria de começar este texto me identificando: Meu nome é Frank, moro em Belém do Pará, na Região Norte do Brasil. Agora gostaria de falar um pouco sobre algumas pequenas incongruências com este vídeo:
1- o "anônimo" faz um apelo à Constituição Federal Brasileira; a seu art. 5º; bem e o que mais o Artigo Quinto diz? Vamos lê-lo?
Artigo 5º da Constituição Federal
Art. 5º. Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:
I - homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações, nos termos desta Constituição;
II - ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei;
III - ninguém será submetido à tortura nem a tratamento desumano ou degradante;
IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;
V - é assegurado o direito de resposta, proporcional ao agravo, além da indenização por dano material, moral ou à imagem;
VI - é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias;
VII - é assegurada, nos termos da lei, a prestação de assistência religiosa nas entidades civis e militares de internação coletiva;
VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;
IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença;
X - são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurado o direito a indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação;
XI - a casa é asilo inviolável do indivíduo, ninguém nela podendo penetrar sem consentimento do morador, salvo em caso de flagrante delito ou desastre, ou para prestar socorro, ou, durante o dia, por determinação judicial;
XII - é inviolável o sigilo da correspondência e das comunicações telegráficas, de dados e das comunicações telefônicas, salvo, no último caso, por ordem judicial, nas hipóteses e na forma que a lei estabelecer para fins de investigação criminal ou instrução processual penal;
XIII - é livre o exercício de qualquer trabalho, ofício ou profissão, atendidas as qualificações profissionais que a lei estabelecer;
XIV - é assegurado a todos o acesso à informação e resguardado o sigilo da fonte, quando necessário ao exercício profissional;
XV - é livre a locomoção no território nacional em tempo de paz, podendo qualquer pessoa, nos termos da lei, nele entrar, permanecer ou dele sair com seus bens;
XVI - todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;
XVII - é plena a liberdade de associação para fins lícitos, vedada a de caráter paramilitar;
XVIII - a criação de associações e, na forma da lei, a de cooperativas independem de autorização, sendo vedada a interferência estatal em seu funcionamento;
XIX - as associações só poderão ser compulsoriamente dissolvidas ou ter suas atividades suspensas por decisão judicial, exigindo-se, no primeiro caso, o trânsito em julgado;
XX - ninguém poderá ser compelido a associar-se ou a permanecer associado;
XXI - as entidades associativas, quando expressamente autorizadas, têm legitimidade para representar seus filiados judicial ou extrajudicialmente;
XXII - é garantido o direito de propriedade;
XXIII - a propriedade atenderá a sua função social;
XXIV - a lei estabelecerá o procedimento para desapropriação por necessidade ou utilidade pública, ou por interesse social, mediante justa e prévia indenização em dinheiro, ressalvados os casos previstos nesta Constituição;
XXV - no caso de iminente perigo público, a autoridade competente poderá usar de propriedade particular, assegurada ao proprietário indenização ulterior, se houver dano;
XXVI - a pequena propriedade rural, assim definida em lei, desde que trabalhada pela família, não será objeto de penhora para pagamento de débitos decorrentes de sua atividade produtiva, dispondo a lei sobre os meios de financiar o seu desenvolvimento;
XXVII - aos autores pertence o direito exclusivo de utilização, publicação ou reprodução de suas obras, transmissível aos herdeiros pelo tempo que a lei fixar;
XXVIII - são assegurados, nos termos da lei:
a) a proteção às participações individuais em obras coletivas e à reprodução da imagem e voz humanas, inclusive nas atividades desportivas;
b) o direito de fiscalização do aproveitamento econômico das obras que criarem ou de que participarem aos criadores, aos intérpretes e às respectivas representações sindicais e associativas;
XXIX - a lei assegurará aos autores de inventos industriais privilégio temporário para sua utilização, bem como proteção às criações industriais, à propriedade das marcas, aos nomes de empresas e a outros signos distintivos, tendo em vista o interesse social e o desenvolvimento tecnológico e econômico do País;
XXX - é garantido o direito de herança;
XXXI - a sucessão de bens de estrangeiros situados no País será regulada pela lei brasileira em benefício do cônjuge ou dos filhos brasileiros, sempre que não lhes seja mais favorável a lei pessoal do de cujus;
XXXII - o Estado promoverá, na forma da lei, a defesa do consumidor;
XXXIII - todos têm direito a receber dos órgãos públicos informações de seu interesse particular, ou de interesse coletivo ou geral, que serão prestadas no prazo da lei, sob pena de responsabilidade, ressalvadas aquelas cujo sigilo seja imprescindível à segurança da sociedade e do Estado;
XXXIV - são a todos assegurados, independentemente do pagamento de taxas:
a) o direito de petição aos Poderes Públicos em defesa de direito ou contra ilegalidade ou abuso de poder;
b) a obtenção de certidões em repartições públicas, para defesa de direitos e esclarecimento de situações de interesse pessoal;
XXXV - a lei não excluirá da apreciação do Poder Judiciário lesão ou ameaça a direito;
XXXVI - a lei não prejudicará o direito adquirido, o ato jurídico perfeito e a coisa julgada;
XXXVII - não haverá juízo ou tribunal de exceção;
XXXVIII - é reconhecida a instituição do júri, com a organização que lhe der a lei, assegurados:
a) a plenitude de defesa;
b) o sigilo das votações;
c) a soberania dos veredictos;
d) a competência para o julgamento dos crimes dolosos contra a vida;
XXXIX - não há crime sem lei anterior que o defina, nem pena sem prévia cominação legal;
XL - a lei penal não retroagirá, salvo para beneficiar o réu;
XLI - a lei punirá qualquer discriminação atentatória dos direitos e liberdades fundamentais;
XLII - a prática do racismo constitui crime inafiançável e imprescritível, sujeito à pena de reclusão, nos termos da lei;
XLIII - a lei considerará crimes inafiançáveis e insuscetíveis de graça ou anistia a prática da tortura, o tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins, o terrorismo e os definidos como crimes hediondos, por eles respondendo os mandantes, os executores e os que, podendo evitá-los, se omitirem;
XLIV - constitui crime inafiançável e imprescritível a ação de grupos armados, civis ou militares, contra a ordem constitucional e o Estado Democrático;
XLV - nenhuma pena passará da pessoa do condenado, podendo a obrigação de reparar o dano e a decretação do perdimento de bens ser, nos termos da lei, estendidas aos sucessores e contra eles executadas, até o limite do valor do patrimônio transferido;
XLVI - a lei regulará a individualização da pena e adotará, entre outras, as seguintes:
a) privação ou restrição da liberdade;
b) perda de bens;
c) multa;
d) prestação social alternativa;
e) suspensão ou interdição de direitos;
XLVII - não haverá penas:
a) de morte, salvo em caso de guerra declarada, nos termos do art. 84, XIX;
b) de caráter perpétuo;
c) de trabalhos forçados;
d) de banimento;
e) cruéis;
XLVIII - a pena será cumprida em estabelecimentos distintos, de acordo com a natureza do delito, a idade e o sexo do apenado;
XLIX - é assegurado aos presos o respeito à integridade física e moral;
L - às presidiárias serão asseguradas condições para que possam permanecer com seus filhos durante o período de amamentação;
LI - nenhum brasileiro será extraditado, salvo o naturalizado, em caso de crime comum, praticado antes da naturalização, ou de comprovado envolvimento em tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins, na forma da lei;
LII - não será concedida extradição de estrangeiro por crime político ou de opinião;
LIII - ninguém será processado nem sentenciado senão pela autoridade competente;
LIV - ninguém será privado da liberdade ou de seus bens sem o devido processo legal;
LV - aos litigantes, em processo judicial ou administrativo, e aos acusados em geral são assegurados o contraditório e ampla defesa, com os meios e recursos a ela inerentes;
LVI - são inadmissíveis, no processo, as provas obtidas por meios ilícitos;
LVlI - ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória;
LVIII - o civilmente identificado não será submetido a identificação criminal, salvo nas hipóteses previstas em lei;
LIX - será admitida ação privada nos crimes de ação pública, se esta não for intentada no prazo legal;
LX - a lei só poderá restringir a publicidade dos atos processuais quando a defesa da intimidade ou o interesse social o exigirem;
LXI - ninguém será preso senão em flagrante delito ou por ordem escrita e fundamentada de autoridade judiciária competente, salvo nos casos de transgressão militar ou crime propriamente militar, definidos em lei;
LXII - a prisão de qualquer pessoa e o local onde se encontre serão comunicados imediatamente ao juiz competente e à família do preso ou à pessoa por ele indicada;
LXIII - o preso será informado de seus direitos, entre os quais o de permanecer calado, sendo-lhe assegurada a assistência da família e de advogado;
LXIV - o preso tem direito à identificação dos responsáveis por sua prisão ou por seu interrogatório policial;
LXV - a prisão ilegal será imediatamente relaxada pela autoridade judiciária;
LXVI - ninguém será levado à prisão ou nela mantido, quando a lei admitir a liberdade provisória, com ou sem fiança;
LXVII - não haverá prisão civil por dívida, salvo a do responsável pelo inadimplemento voluntário e inescusável de obrigação alimentícia e a do depositário infiel;
LXVIII - conceder-se-á habeas-corpus sempre que alguém sofrer ou se achar ameaçado de sofrer violência ou coação em sua liberdade de locomoção, por ilegalidade ou abuso de poder;
LXIX - conceder-se-á mandado de segurança para proteger direito líquido e certo, não amparado por habeas-corpus ou habeas-data, quando o responsável pela ilegalidade ou abuso de poder for autoridade pública ou agente de pessoa jurídica no exercício de atribuições do Poder Público;
LXX - o mandado de segurança coletivo pode ser impetrado por:
a) partido político com representação no Congresso Nacional;
b) organização sindical, entidade de classe ou associação legalmente constituída e em funcionamento há pelo menos um ano, em defesa dos interesses de seus membros ou associados;
LXXI - conceder-se-á mandado de injunção sempre que a falta de norma regulamentadora torne inviável o exercício dos direitos e liberdades constitucionais e das prerrogativas inerentes à nacionalidade, à soberania e à cidadania;
LXXII - conceder-se-á habeas-data:
a) para assegurar o conhecimento de informações relativas à pessoa do impetrante, constantes de registros ou bancos de dados de entidades governamentais ou de caráter público;
b) para a retificação de dados, quando não se prefira fazê-lo por processo sigiloso, judicial ou administrativo;
LXXIII - qualquer cidadão é parte legítima para propor ação popular que vise a anular ato lesivo ao patrimônio público ou de entidade de que o Estado participe, à moralidade administrativa, ao meio ambiente e ao patrimônio histórico e cultural, ficando o autor, salvo comprovada má-fé, isento de custas judiciais e do ônus da sucumbência;
LXXIV - o Estado prestará assistência jurídica integral e gratuita aos que comprovarem insuficiência de recursos;
LXXV - o Estado indenizará o condenado por erro judiciário, assim como o que ficar preso além do tempo fixado na sentença;
LXXVI - são gratuitos para os reconhecidamente pobres, na forma da lei:
a) o registro civil de nascimento;
b) a certidão de óbito;
LXXVII - são gratuitas as ações de habeas-corpus e habeas-data, e, na forma da lei, os atos necessários ao exercício da cidadania.
§ 1º. As normas definidoras dos direitos e garantias fundamentais têm aplicação imediata.
§ 2º. Os direitos e garantias expressos nesta Constituição não excluem outros decorrentes do regime e dos princípios por ela adotados, ou dos tratados internacionais em que a República Federativa do Brasil seja parte.
Caso desejem uma análise comentada mais a fundo deste artigo, sugiro o seguinte site: http://freeormind.blogspot.com.br/2010/04/comentarios-ao-artigo-5-da-constituicao.html
Caso deseje baixar {ou ler online} toda a CFB (o que sugiro sinceramente que deve ser feito), pode acessá-la aqui:CFB

Como pode ser visto em seu inciso IV: “é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato”; bem já vemos que nosso anônimo está em franco desacordo com o mesmo artigo que ele usa para fundamentar uma de suas “causas”.
O estranhamento prossegue, pois ele alega que não devemos abordar temas “polêmicos”, de ordem religiosa e ideológica (hum... ‘religião e política não se discute’ já ouvi isso antes e olha onde isso nos trouxe...). O trecho seguinte é lindo! “Sem bandeiras partidárias ou subjetividades.”; gente, EU me considero apartidário, de certa forma fascista, anarquista em certo grau, mas não sou cego! Quando nosso anônimo diz “Sem bandeiras partidárias ou subjetividades.” Ele apela ao sentimento de insatisfação que a população nutre pelos partidos de forma generalizada, mas concordo com Jean Wyllys (e com o mesmo artigo 5º que nosso anônimo usa como base)



Ainda na ´iluminada´ declaração “Sem bandeiras partidárias ou subjetividades.” Ele complementa com “Vamos todos levantar causas de cunho moral que são unanimemente aceitas.” POR FAVOR!?! Existe coisa mais subjetiva, mais sujeita a variações de interpretações, de intenções do que a “moralidade”? E como já disse Nelson Rodrigues: "Toda unanimidade é burra", não se sintam ofendidos, mas esta estória da carochinha que devemos ser unânimes é balela. Quando todos pensam iguais, é porque ninguém está pensando! (Walt Lippman).


O trecho “E vamos levantar poucas por hora, para que não se dispersem.”, lembrou-me uma conversa que tive no twitter quando da manifestação de segunda-feira (17/06/2013) onde minha interlocutora afirma: “Não vejo essa luta sendo nossa. Vejo gente lutando por líderes que nem conhecemos!

Mas aqui está um assumido Anônimo (perdoem o trocadilho infernal) agindo como Líder, orientando às pessoas o que fazer. Mas o povo precisa, se não de liderança, de coordenação. Caso contrário cada um gritará o que lhe vier na veneta. Vejam, anarquia NÃO É CAOS! As pessoas, voluntariamente deliberam e selecionam quem seja mais apto para cada situação... Mas quem escolheu o Mr. Anonymous?!


Prosseguindo: As ditas “5 Causas” elencadas pelo Anônimo realmente tem seu valor; mas enquanto todo mundo corre pelo MP, quem ainda lembra da PEC 99/2011?? Você lembra? Não?! Bem, então relembre: http://www.eleicoeshoje.com.br/estado-laico-pec-99-11/#axzz2WvPh6yw9

Nem vou me atentar ao famigerado projeto da “cura gay”.


Pedir maior severidade para crimes de Corrupção é benéfico, mas não sejamos hipócritas, os políticos corruptos não caíram de paraquedas em seus gabinetes; não vieram de Kloxnagin, na galáxia de Aldebaram XIII; vieram do cerne do POVO, como disse Jean Wyllys: “A solução pra "tudo isso que tá aí" passa pelo eleitor (deve valorizar seu voto!) e pelo cidadão (não praticar a corrupção que condena!).

Sejamos nossos próprios fiscais, fiscais de nossos companheiros, fiscais daqueles que elegemos; aí sim dá-se sentido à exigência de maior austeridade e severidade para com os políticos empossados, diplomados! Bem como o término do fórum privilegiado de nossos deputados, parlamentares, presidentes e - porque não? - dos militares também!



Não obstante, também não podemos esquecer que de nada vale estas 5 causas (cito-as):

1 – Não a PEC 37;

2 – Saída imediata do Renan Calheiros da presidência do Congresso Nacional;

3 – Imediata investigação e punição de irregularidades nas obras da Copa, pela Policia Federal e o Ministério Público Federal;

4 – Queremos uma lei que torne corrupção no Congresso crime hediondo;

5 – Fim do foro privilegiado pois ele é um ultraje ao Artigo 5º da nossa Constituição.
Se nossa população continua sem educação de qualidade; saúde de qualidade; trabalho de qualidade; serviços básicos que é DEVER do Estado; e de todas as Esferas Administrativas.

Art. 3º Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil:
I - construir uma sociedade livre, justa e solidária;
II - garantir o desenvolvimento nacional;
III - erradicar a pobreza e a marginalização e reduzir as desigualdades sociais e regionais;
IV - promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação.
CAPÍTULO II
DOS DIREITOS SOCIAIS
Art. 6º São direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação, o trabalho, a moradia, o lazer, a segurança, a previdência social, a proteção à maternidade e à infância, a assistência aos desamparados, na forma desta Constituição.



Sei em um grande ajuntamento de pessoas – indignadas, ludibriadas, frustradas, combalidas e magoadas – a chance de alguém perder o controle é real e passível de ocorrência a qualquer momento; e não estou considerando as informações (aparentemente verídicas) da existência de ‘infiltrados’ com o único e primário [pra não dizer “primitivo”] objetivo de gerar desordem e caos, tumultuando as manifestações e induzindo seus participantes a cometerem atos de vandalismo:



Meu receio é quando as pessoas começarem a apreciar a origem do termo e seu significado:


Se vão ignorar este texto, se vão se deixar “liderar” por um “anônimo”; lembrem que a Alemanha de 1930 passou por algo semelhante, a Itália, Portugal e Espanha idem. Creio que os nomes Hitler Mussolini, Franco e Salazar são bastante para lhes despertar a Memória. Mas se quiserem um auxílio pictórico, fecho este meu texto com a seguinte imagem: